Pão de 100 metros é atração na 6ª edição do evento “Lejl f’Casal Fornaro” em Qormi

Uma das coisas que eu mais amava comer em Malta eram os pães. Hummm só de pensar já me dá água na boca. hehehehe É, mas não era qualquer pão, não, viu?! O melhor de todos são os pães de uma cidade de 16.850 habitantes que fica no sudoeste de Malta. Os pães de Qormi.

Ah! Mas eu não sou a única apaixonada pelos pães desta cidade maltesa. O sucesso dos pães de Qormi vem dos tempos dos Knights of St John (Cavaleiros de São João). Os cavaleiros que eram super exigentes, só comiam pães de Qormi. Afinal, lá era conhecido como “Casal Fornaro”, uma aldeia de padeiros e o centro de panificação maltês da época. Bom, este título a cidade possui até os dias de hoje, pois ainda é a cidade que mais tem padarias em Malta. Eu li que por lá as padarias ainda são à lenha, mas ainda não consegui confirmar essa informação. Se for verdade, com certeza esse é um dos segredos dos pães fazerem tanto sucesso. Minha mãe sempre dizia que o forno à lenha dava um toque especial às pizzas, então acredito que o mesmo aconteça com os pães, né?! hehehehe

É por isso que se eu estivesse em Malta esse final de semana, com certeza, eu estaria me divertindo e devorando alguns pães de Qormi no evento Lejl f’Casal Fornaro (Uma Noite em Casal Fornaro). Um festival criado em 2007 por um grupo de jovens malteses, da ong Kummissjoni Żgħażagħ Bastjaniżi, para divulgar as tradições e cultura dessa região, em especial os deliciosos pães e vinhos produzidos por lá.

A festa, que acontece pelas ruas da cidade, era pra ter acontecido nos dias 14 e 15 de setembro foi adiada para este final de semana, 21 e 22 de setembro. O que achei muito interessante, é que além da recriação de um ambiente folclórico com decorações, danças e comidas típicas maltesas, durante o evento acontece uma comemoração especial para o pão, chamada de Festa ta’ Ħobż (Festival do Pão em maltês). Um pão de 100 metros é preparado e a verba arrecada com sua venda é revertida para o fundo de assistência social Malta Community Chest Fund. Além de comer uma gostosura daquelas, você ainda ajuda uma porção de projetos sociais. Achei muito bacana essa inciativa.

Bom, agora você já sabe, quando estiver em Malta,  uma boa pedida é experimentar um os deliciosos pães malteses de Qormi e visitar esse interessante festival.

Quer ver um pouquinho dessa festa? Dá uma olhada no vídeo abaixo.

Anúncios

Venham experimentar estas delícias

carro de donuts em Malta

Quem é de São Paulo já está acostumado a ouvir aqueles carros que ficam passeando pelas ruas e anunciando a venda de pamonhas através de alto-falantes: “Pamonhas, pamonhas, pamonhas. Pamonhas de Piracicaba.” hehehehehe Isso existe na sua cidade também? Imagino que sim, pois até em Malta isso existe. Ops, calma, calma, em Malta não tem o puro creme do milho, não, essas delícias são feitas só aqui no Brasil. O que tem por lá também são os carros com alto-falantes. Sinceramente,  durante o tempo que eu morei por lá, eu não vi nem um desses, mas hoje encontrei essa imagem na fan page do Planet Mona e a legenda dizia que o carro da padaria do Johnny, da cidade de Qormi, tinha uma gravação que ficava repetindo sobre os doughnuts* que ali estavam à venda. Ou seja, o produto é diferente, mas a forma de venda é a mesma. Essa foto foi tirada na praia Mistra Bay, mas nos comentários do post as pessoas contam que também viram em Marsaxlokk e Armier. Como eu contei nesse post, os malteses amam essas doces e coloridas gostosuras, chamadas doughnuts. Quando estiver em Malta, não deixe de provar um desses, são uma delicinha e bem baratinhos.

Foto: Sxc

Pizza em Malta, provar ou não?

Pizza Hut Malta

Foto: Pizza Hut

Sexta-feira é dia de pizza! Por isso o tema do dia é pra te deixar com água na boca. E como boa paulistana que sou, tenho orgulho de dizer que temos a melhor pizza do Brasil. Quem é de outros estados e teve o prazer de experimentar uma das nossas deliciosas pizza sabe o que estou dizendo. Quem não sabe, tá esperando o que para fazer essa viagem gastronômica e me fazer uma visita? Sempre acreditei que só perderíamos para as pizzas da Itália, afinal lá é o berço desta maravilha. Que me desculpem os italianos, mas depois de provar algumas pizzas na Itália, ainda não fui convencida que a deles são melhores que as nossas. E não sou a única que pensa assim. Outros brasileiros que conversei sobre isso e até italianos legítimos que conhecem a pizza de São Paulo, me confidenciaram que também preferem as nossas redondas. =)

Fiz toda essa introdução para que você entenda qual era o meu grau de expectativa para com as pizzas em Malta, nenhum. Eu tinha certeza que as pizzas de lá eram horrorosas e deveria ser a minha última opção na ilha. Talvez por isso que fui surpreendida. Se você pensou que a pizza maltesa é mais gostosa que a paulistana, pode esquecer. Isso é impossível. hehehehe Mas que elas são muito melhores do que algumas pizzas que já comi aqui no Brasil e até em São Paulo, aaaaa isso é uma grande verdade.

Diferente do que muito se diz por aí , não é só aqui no Brasil que encontramos sabores diferenciados de pizza. Eu comi tanto em Malta quanto na Itália, coberturas bem diferentes das tradicionais napolitanas. Em Malta, você vai encontrar pizza feita até com carne de coelho. Existem diversas opções de sabores, mas algumas vem com menos cobertura. De qualquer maneira, vi em alguns lugares a opção de pedir cobertura extra. A desvantagem é que isso encarece a pizza.

pizza factory malta

Uma das pizzas que eu mais comia em Malta, depois da balada em Paceville. Foto: Pizza Factory

Eu tenho uma forma pessoal de classificar os tipos de pizza existentes. Uma delas, bastante comum em Malta, é a pizza de porta de balada, aquelas que não são para ser boas mesmo e você sabe disso. Elas servem para matar a fome de maneira rápida e barata. E isso elas cumprem bem o papel. E dependendo do grau da sua fome e bebedeira, você vai até achar que está saboreando uma iguaria da mais alta gastronomia. Em Paceville o que não falta são lugares vendendo essas pizzas em pedaços. Mas esqueça aquelas fatias que você encontra aqui no Brasil. Por 2,50 euros você compra uma fatia enorme que vale por duas. Era até ruim de segurar para comer, eu sempre tinha que dobrar no meio e fazer uma espécie de sanduíche de pizza. hehehehe As opções de sabores são praticamente inexistentes. É queijo com queijo. hehehehe A de Pepperoni, por exemplo, vinha queijo e era decorada com umas 4 rodelas de pepperoni. E a massa é bem fina, quase uma folha. Elas me lembram um pouco aquelas que fazemos em casa com massa de pizza de frigideira, conhecem?

al ponte pizzaria malta

Foto: Al Ponte Pizzaria

Outro tipo de pizza bastante comum na ilha, tem a massa um pouco mais grossa e mais caseiras e artesanais que as anteriores. Eu adorei essas pizzas. Deve ser a proximidade com a Itália. Além de possuir mais opções de coberturas, a quantidade é bem mais caprichada também. Obviamente, o preço é mais salgado também. Eu achei as pizzas individuais enoooormes e você encontra em qualquer pizzaria. O que eu achava ótimo, assim mesmo estando sozinha podia comer uma. Outra pizza enorme que vi por la é XXL que significa extra extra large, ou seja, grande mesmo. Ela tem 52 cm e vi homens comendo sozinhos. Haja fome, hein?! hehehehe

pizza The Avenue

Foto: The Avenue

Existem diversas pizzarias que fazem entrega em domicílio sem cobrar em Malta. Geralmente, eu e meus amigos optávamos por ir a algum restaurante. Mas umas duas vezes, pedimos Pizza Hut no hostel. Eu achei um pouco diferente da brasileira. Pedimos massa normal e embora eu prefira a Pan da Pizza Hut, achei boa também. Na verdade Pizza Hut pra mim é como Mc Donald’s. Eles sao uma categoria à parte dos seus concorrentes. Como se fossem a junkie food, da junkie food, sabe?! Tem dias que eu sinto vontade de comer um cheeseburger, então vou a uma hamburgueria qualquer, mas tem dias que sinto vontade de comer Mc Donald’s e nenhuma hamburgueria vai conseguir suprir esse desejo. O mesmo acontece com a pizza, tem dias que quero a tradicional e em outros Pizza Hut. Você é assim também? Hummmm esse post me deu uma fome. hehehe

Aos poucos vou postando algumas opções de pizzaria pra vocês se deliciarem no restaurante, em casa ou no meio da rua mesmo. Afinal, elas são um ótimo e saboroso quebra-galho, né?!

Dia dos Pais em Malta

Logo que vi esse bolo, achei muito fofo. Ele foi feito pela boleira maltesa Charmaine Magro da Cakes by Xar em homenagem ao Dia dos Pais que é celebrado hoje em Malta.  Se o recheio é bom, eu não sei, mas que está super bem decorado, está. Com os dizeres “Nosso pai, nosso herói”, o bolo traz a família reunida. O boneco do centro representando o pai e os demais ao que parece são os filhos, no corpo de cada um tem uma inicial de uma letra, que eu imagino deve ser a inicial do nome de cada um.

Para os brasileiros que estão em Malta e não tem o pai por perto para celebrar, o dia de hoje é uma ótima oportunidade para almoçar ou jantar fora e aproveitar as ofertas do dia. Dá uma olhada nesse link http://www.fathersdaymalta.com/

Um beijo para todos os papais dedicados, amorosos e heróis, sejam eles malteses ou não. Ah! Claro e um especial para o meu paizão que amo tanto. ❤

Foto do dia: figo-da-índia o delicioso fruto dos cactos

figo da Índia fruta típica em Malta

Em Malta tem cactos por todos os lados e com isso uma das frutas típicas do verão maltês é o figo-da-índia (Opuntia ficus indica). Apesar do nome, essa fruta exótica é originária do México e foi levada há séculos pelos espanhóis para Europa. A cor da polpa varia entre vermelho, amarelo-alaranjado e verde. Eu achei uma delícia, bem doce, macia e saborosa, uma mistura de goiaba com kiwi. Além do consumo in natura, o figo-da-índia é utilizado no preparo de um maravilhoso licor local vendido como souvenir em todas as lojas turísticas da ilha. Vale a pena experimentar!

Kinnie, o refrigerante maltês, comemora 60 anos com campanha vintage

Kinnie refrigerante maltês logo comemorativo 60 anosO meu lado publicitária não poderia deixar passar em branco a comemoração de 60 anos do refrigerante maltês Kinnie. Eu tomei uma vez para experimentar e não gostei. Não consegui tomar até o final. Achei muito amargo e estranho. Mas os malteses amam. É, caso contrário, não teria sobrevivido 60 anos, né?!

De qualquer maneira, como se trata de um ícone da história de Malta, eu não poderia deixar de falar aqui, certo?!

Selecionei algumas garrafas (aliás, sou apaixonada por garrafas), algumas propagandas impressas e filmes. Um é bem antigo com locução em maltês, outro de 1995, mas com cara de anos 80 e o atual filme da campanha comemorativa. Mas você pode ver mais no site da Kinnie, na Fan Page ou no Youtube deles.

Kinnie Ad 1952 e 1957

Achei sensacional eles se considerarem a champagne dos refrigerantes.

Kinnie Packing 1979 e 1984

As garrafas de Kinnie de 1979 (esq.) e 1984 (dir.). Achei curioso que já existia Kinnie Diet por lá na década de 80. Aqui, acho, que não tinha nem diet Coke, né?!

Pulando para a área de filmes, aqui  vai um comercial bem antigo e bem interessante. Trad Dance  mostra algumas paisagens e um pouco da cultura maltesa, tem até uma tradicional. Pena que não entendemos maltês. =(

Já o Ferry mostra uma galera se divertindo num barco com muita Kinnie e uma trilha sonora bem bacana. Algo me diz que essa festa no barco do filme é uma das precursoras das “boat party” tão comuns no verão maltês atualmente. Será?

Só eu tenho a sensação que esse comercial Faster then the speed of thirst parece 80’s e não de 1995?

E para finalizar, dá uma olhada na atual campanha em comemoração ao aniversário da marca e com uma pegada vintage. Claro que está longe de ser um campanha maravilhosa, não tem nenhuma grande sacada, mas achei bem bacana, eles resgatarem a história. E vamos combinar que eles estão anos luz na frente da vergonha nacional Dolly, né?! 😉

Comidinhas típicas da Páscoa em Malta

Sei que a Páscoa já passou faz um tempinho, mas fiquei devendo um post sobre as comidas típicas dessa época em Malta. Assim como por aqui temos a nossa Colomba Pascal (trazida na bagagem dos italianos) e a troca de ovos de chocolate, Malta também tem suas tradições gastronômicas envolvendo a data.

Uma delas é a sopa Kusksu ou Fava Bean Soup feita com fava. Um dos motivos dessa sopa ter se transformado em tradição é que março e abril é época de colheita da fava. Outro motivo é o fato dessa sopa não ser feita com carne. E muitos malteses não comem carne durante alguns dias da Quaresma, principalmente na Sexta-feira da Paixão. O nome Kusku se deve a massa que é utilizada na sopa. Uma massa redonda pequena, um pouco menor que o couscous utilizado na culinária do norte da África. Eu não cheguei a provar essa sopa quando estava lá, mas se você quiser se aventurar aqui tem a receita. Não achei a cara muito apetitosa, mas de repente foram as fotos que encontrei. hehehehehehe

Essa foto eu peguei no site da Golden Harvest uma empresa que produz deliciosos pães lá. Tudo que eu comprava deles era uma delícia.

Outra tradição desta época é o Qaghaq ta’ l-Appostli, um pão suave em formato de rosca, decorado com amêndoas torradas e gergelim. Em algumas cidades como Rabat é possível encontrar esse pão durante toda a quaresma, mas na maioria das cidades você vai encontrá-lo apenas na quinta e sexta-feira santa. Eles são vendidos em padarias, supermercados e na frente de algumas igrejas. Dizem que é uma delícia para comer apenas com manteiga ou com algum queijo. Uma pena que não provei. Não duvido que seja gostoso mesmo, pois achei a maioria dos pães em Malta muito saborosos e deliciosos.

Foto: Golden Harvest

No domingo de Páscoa em Valletta, me chamou atenção duas crianças sentadas próximas a uma igreja vendendo algumas dessas comidas típicas. Eu comprei apenas um pão doce pequeno, chamado Hot Cross Buns que pelo o que li, a tradição é comê-los na Sexta. Ou seja, pode ser por isso que não gostei. Devo ter experimentado a sobra da sexta e já não estava mais fresquinho, né?! =( Mais um motivo para eu voltar à Malta e provar um como este da foto ao lado ou estes desta receita. Afinal, parecem tão apetitosos. hehehehe

Olha aí o Hot Cross Buns que eu experimentei.

Foto: Golden Harvest

Um outro doce típico dessa época é o delicioso Kwarezimal, esse eu experimentei e adorei. Ele é feito com amêndoas. Aliás muitos doces típicos de lá levam amêndoas como ingrediente. E eu amoooooooooo. Quer a receita? Aqui vai. Mas se fizer, não esqueça de me convidar para provar, hein?! *.*

E por último e não menos importante. Na verdade, esse é o mais tradicional e famoso doce típico dessa época, o Figolla. Um bolo cortado em diferentes formatos como borboletas, peixes, corações, dentre outros e recheado com uma massa feita de amêndoas. Depois de assados esse bolo, recebe uma camada de marzipan, decorações com glacê e a metade de um ovo de páscoa. Eu também não dei sorte com esse, mas também fui super mirim, experimentei numa doceria siciliana e não numa maltesa. =/ Fica na lista para a próxima visita também, certo?!

O mais interessante é que por trás do figolla existe uma tradição bacana (que acabei de descobrir que eu não segui. Damn! hehehehehe). A tradição diz que os figollas não devem ser comidos até o domingo de Páscoa, quando é hora de comemorar a ressurreição de Cristo. Outra tradição que é mantida há muitos anos pelos malteses, é levar o figolla para receber a benção durante a procissão do domingo. Acho muito bacana esse jeito maltês de manter antigas tradições sempre vivas, passando de geração em geração.

Ah! E se você quiser arriscar, aqui tem a receita.

Foto: Golden Harvest