Tem produtos brasileiros em Malta?

produtos brasileiros em Malta

Esses são alguns dos produtos que consumimos no Brasil e podem ser encontrados,
mas engana-se quem pensa que todos são iguais aos daqui.

Uma das coisas que eu mais fiz em Malta foi experimentar comidas novas, mas tinha dias que batia uma saudade do temperinho de casa. Da comida da mãe, da vó, dos restaurantes, da padaria… Eu morria de saudade de comer pão de queijo, empadinha, coxinha, etc. Eu que não sou muito fã de guaraná senti vontade de tomar um, dá pra acreditar? hehehe Algum psicólogo por aqui pra nos explicar por que isso acontece? Com certeza é aquele velho papo de queremos ter o que não podemos, né?!

mercadinho em dublin vende produtos brasileiros

Esse mercadinho eu encontrei no centro de Dublin.

Malta não tem um mercadinho com muitos produtos brasileiros como esse ali em cima na foto em Dublin. Que aliás eu não tive muita sorte, afinal nesse dia não tinha nem pão de queijo, nem coxinha. Mas num outro dia também em Dublin, eu tomei guaraná e comi lula à dorê num trailer brasileiro.

Já, em Dusseldorf, quando fui visitar meu primo, ele e sua esposa prepararam um deliciosa feijoada e até uma moqueca de camarão, com ingredientes comprados por lá mesmo. Ah! E de sobremesa teve pudim de leite e doce de leite, mas esse último eles não compraram lá. Eu que tive a sorte de ir visitá-los na mesma época que um mineiro. hahahaha

comida brasileira fora do brasil

Aí estão os pratos preparados pela esposa do meu primo quando visitei eles em Dusseldorf e o prato de lula à dorê com guaraná que comi num quiosque de brasileiros na Irlanda. Tudo estava delicioso. NHAM!

Enfim, mas não fique triste, pois em Malta você também encontra alguns ingredientes para preparar certas delícias brasileiras e diminuir um pouco da sua vontade. Alguns ingredientes, você encontra nos supermercados normais. Alguns que são essenciais para uma boa sobremesa, como creme de leite, leite condensado (ambos da Nestlé e eu não notei diferença alguma no sabor, talvez um pouco na consistência, mas nada que prejudique as receitas), chocolate em pó, granulado, coco ralado, cravo, gelatina, limão, etc. Eu amava fazer mousse de limão, beijinho, brigadeiro tradicional e aquele rosa, também conhecido como bicho de pé. Meus amigos, tanto os brasileiros quanto os gringos amavam. Se você sabe cozinhar bem, com certeza vai poder preparar muitos outros doces e salgados típicos do Brasil. Uma amiga minha fez coxinha. Um outro pastel. Eu fiz bolinho de arroz, bolinho de espinafre, feijão, farofa, moqueca de camarão sem azeite de dendê. É, ok, esse não ficou parecido em nada com uma moqueca nem baiana nem capixaba. =( hahahaha Fizemos doce de leite com a lata do leite condensado e sem panela de pressão. A vontade aliada à criatividade e pesquisa no google ajudaram bastante! hehehehe

doces brasileiros em Malta

Aí você algumas delícias que eu e meus amigos preparamos em Malta. Brigadeiro, beijinho, mousse, bolo de brigadeiro com morango… Yummy!

O prato preferido do brasileiro, talvez seja o que você menos sinta falta em Malta. O arroz com feijão você não vai encontrar nos restaurantes, mas vai poder prepará-lo por lá. Ele não é importado do Brasil, não me lembro a origem, mas eu experimentei o preto e o vermelho e gostei muito. Quem sabe mais pra frente faço uma pesquisa sobre os tipos de feijão e posto por aqui. 😉 O único problema é que não encontrei panela de pressão. Aí o jeito era deixar de molho de um dia para o outro e cozinhar por um bom tempo. De qualquer maneira, uma das marcas que eu gostava de comprar era da Good Earth.

arroz com feijão e farofa em Malta

Algumas das vezes que preparei arroz com feijão e farofa em Malta.

E ontem na revista Gourtmet Today que vem dentro do jornal Malta Today aos domingos saiu uma matéria com uma brasileira ensinando algumas receitas para os malteses, dentre elas a feijoada. Segundo a própria Taiana informa lá na página do Facebook da revista, os ingredientes para fazer a feijoada você encontra nos supermercados Arkadia e no Scotts.

Achei muito bacana a iniciativa dela de divulgar um pouco da nossa culinária por lá, espero que os mateses tenham gostado.

Revista Gourmet Today Malta

Eu e uma amiga arriscamos até uma receita de pão de queijo adaptada, pois por lá não existe polvilho nem azedo, nem doce. Não ficou igual, mas deu pra matar um pouco da vontade. Combinamos de tentar uma segunda vez com mais queijo, mas depois esquecemos. hehehehe Outra hora posto a receita por aqui.

pão de queijo, bolinho de arroz e espinafre em Malta

Aí está o pão de queijo que fizemos. Ficou bonitão, vai?! Os bolinhos de espinafre e arroz eu não sei a origem, mas é algo bastante na comida feita em casa, não?!

E por lá você vai achar o Nescafé brasileiro. Eu não sou fã de café solúvel, mas ele quebrava um galho de vez em quando. Embora eu adorasse tomar os cafés expressos que tem nas cafeterias em Malta, eu comprava esse para tomar logo que eu acordava e no meio tarde. E tem diversas opções, do clássico ao descafeinado. Mas o meu preferido era o Gold que o sabor era mais suave e não parecia tanto com café solúvel.

A cerveja Skol, apesar de ser produzida aqui no Brasil pela Ambev, ela pertence à dinamarquesa Carlsberg. Por isso a Skol que você verá por lá, tem o rótulo e sabores bem diferentes. Apesar do nome, a Skol de lá não vem do Brasil.

Guaraná e farinha de mandioca no Asia Food Store

Agora existem outros ingredientes que você precisa ir até locais específicos para encontrar. Um dia estava na escola e minhas amigas coreanas vieram me contar super felizes que tinham ido num mercado asiático e lá havia uma sessão de comida brasileira. Eu fiquei tão feliz, mas elas não sabiam me dizer o que havia por lá. eles não sabiam me dizer o nome da rua, mas me disseram como chegar lá. E é claro que eu me perdi. hehehehe Mas por sorte vi um homem asiático com umas sacolas nas mãos e decidi perguntar. Ele disse que eu estava bem longe e me levaria até lá, pois estava de carro. Ele me deixou na porta do mercado. Que sorte que eu tive, né?! Logo que entrei na loja, chamada Asia Food Store, havia uma placa informando sobre produtos brasileiros. Passei pelo pequeno mercado, mas não vi nada típico brasileiro. Pensei: Pegadinha do Malandro, né?! Quase. Os produtos brasileiros que eles tem por lá são farinha de mandioca da Yoki e Guaraná Antártica. E para a minha sorte, naquele dia só tinha a mandioca, o guaraná estava em falta. hehehehe Como eu não sou super fã desse refrigerante, não me importei. Já sobre a a farinha de mandioca, optei por comprar de uma marca asiática, pois ela era mais branquinha que a da Yoki, como as que família come no Paraná e Santa Catarina. Confesso que voltei um pouco decepcionada para a casa, mas feliz em poder fazer uma farofa pro jantar. hehehehe Por lá eu comprei uma água de coco asiática, mas não é como a nossa daqui. É mais doce e tem uns pedaços do coco.

Ah! E falando em água de coco, eu encontrei em uma loja de produtos naturais em St. Julians, se não me engano era da marca Kerococo. Tinha a 330 ml e 1 litro. Comprei a pequena e foi bem caro, algo em torno de 5 euros. E achei o sabor mais artificial que a vendida aqui no Brasil. Vou tentar encontrar o nome da loja pra vocês, ok?!

asia food store malta

Ah! O endereço na loja Asia Food Store é 51 , Triq Nazju Ellul na cidade de Gzira. A loja fica numa esquina com a Triq Turu Rizzo. Dá uma olhada no google maps, pois não é difícil de chegar lá. Apesar de ter me perdido na ida, pois me explicaram de um jeito meio complicado, na volta eu saí de lá super fácil.

Essas foram algumas das minhas dicas sobre produtos brasileiros em Malta. Por lá você também vai encontrar um restaurante brasileiro chamado Do Brazil, eu estive visitando o local, mas não me agradou. Só que este é um papo que fica pra outro dia, ok?!

E aí pronto pra matar a um pouquinho a saudade do Brasil e mostrar a culinária brasileira para seus amigos gringos? Bom apetite, pessoal!

UPDATE: Pessoal, desculpem, fui informada que no Asia Food Store não tem mais à venda o guaraná Antártica e a farinha da Yoki. De qualquer maneira, para quem faz questão de comer farinha, pode fazer como eu fiz e comprar a farinha asiática que provavelmente ainda deve ser vendida por lá e é uma delícia. Caso nem essa mais exista, peço a compreensão e colaboração de vocês para que eu possa atualizar essa informação também, ok?! 😉 Thx!

Anúncios

Foto do dia: Marsaxlokk Fish Market

Marsaxlokk, Malta Fish Market

E domingo é dia de ir à feira de Marsaxlokk. A baía dessa vila de pescadores é o segundo maior porto natural de Malta e tem uma porção de barcos coloridos, os tradicionais Luzzu. Apesar de ser uma fish market, por lá, além de comprar peixes e camarões, você encontra doces, roupas e muitos souvenirs. Os preços ótimos. Vale a pena visitar a feira e depois se deliciar com algum peixe fresco em algum dos restaurantes que tem por ali.

Custo de vida: Supermercados em Malta

supermercado barato em Malta

Quando começamos a pensar em morar fora, uma das primeiras perguntas que surgem é a respeito do custo de vida. Quanto vamos gastar para sobreviver. Aí vem aquela dúvida, será que vou morrer de fome? Pode respirar aliviado, pois em Malta isso não vai acontecer, ok?!

Custo de vida em Malta

O custo de vida em Malta não é alto, ou melhor dizendo, não é mais alto que no Brasil, muito menos que do restante da Europa. Algumas coisas são mais caras, outras são mais baratas, o que no final das contas sai quase elas por elas. Encontrei um site bem bacana que compara o custo de vida entre países e cidades.

Dá uma olhada no comparativo entre Brasil e Malta. Você vai se surpreender ao ver que na média Malta aparece como mais caro que o Brasil apenas em restaurantes e supermercados. Mas, sinceramente, dependendo do seu estilo de vida e onde você mora aqui no Brasil, você não vai sentir essa diferença, nem mesmo nesses dois lugares.

Supermercados

Apesar de existir supermercados da rede Carrefour por lá, eu não conheci nenhum hipermercado, sabe aqueles enoooooooormes que temos por aqui, que vende roupa, eletrodomésticos, comida, etc. Mas mesmo assim, nos supermercados você encontra boas promoções. Vou montar uma lista pra vocês com os supermercados que eu mais usava em Malta. E aos poucos vou escrevendo um post dedicado a cada um deles com os links. Assim você pode ver os preços dos produtos no próprio site, pois alguns fazem entrega em domicílio. E aí fica mais fácil para você ter uma ideia do quanto irá gastar com o que costuma consumir por aqui, né?!

Eu não era fiel a nenhum desses supermercados, cada vez eu ia em um, pois todos tem suas vantagens e desvantagens. Todos tem produtos que são mais em conta e outros que são mais caros. Geralmente, eu aproveitava ofertas do dia ou da semana.

Sacolas plásticas

Algo que agora já é uma realidade aqui no Brasil, também acontece em Malta. Esqueça sacolinhas de plástico, leve a sua retornável. Se você esquecer, tem algumas opções de plástico e papelão à venda no caixa. Em alguns supermercados, se você comprar pouca coisa, eles dão gratuitamente um saco plástico como os que temos por aqui para frutas, só que bem mais resistentes. Quando eu fui pra lá, pensei que encontraria em Malta um desses carrinhos de compras super moderninhos e lindos que são fabricados na Europa. Mas, infelizmente, não encontrei. Acabei comprando o meu aqui no Brasil mesmo. Se eu soubesse, teria levado daqui, pois quebra um galho incrível.

Garrafas de vinho

E se você for um consumidor de vinhos, assim como eu, guarde as garrafas vazias e leve-as de volta para o supermercado. Quando você compra, você paga 0,20 de euro a mais pela garrafa, mas se devolver você recebe esses centavos de volta. Faz a conta, tem vinhos lá que custam 2 euros, então a cada 10 vinhos que você consumir, um sairá na faixa e você ainda ajuda o meio ambiente . =)

Horário de funcionamento

Outro ponto importante a respeito dos supermercados em Malta, é a questão do horário. Esqueça essa mamata brasileira de fazer compras até tarde da noite ou na madrugada. Não existe nada aberto 24 horas por lá. Nem farmácia, pra você ter uma ideia. Por isso fique atento nos horários de funcionamento para não ficar sem papel higiênico, água e comida, viu?!

No meu primeiro dia em Malta o jantar foi russo

Cheguei em Malta dia 12/03/2011 às 13h20. Assim que saí do desembarque já havia um senhor me esperando com a aquela tradicional plaquinha com meu nome completo. hehehehe Putz, eu tava tão cansada e ansiosa que até esqueci de tirar foto. O senhor que me aguardava era o motorista do transfer que contratei através da escola e me custou 20 euros para percorrer cerca de 12,5 km. Dica importante: só fechei a ida, pois achei mais seguro do que pegar um táxi lá  na hora. A volta fechei em Malta e foi a melhor coisa, pois descobri opções mais em conta. (Saiba mais em Transfer a partir de 7 euros em Malta)

E lá fomos nós rumo a minha nova cidade: SWIEQI. O nome da cidade é em maltês e se fala “Siui” sem o “q” . Aliás , os nomes de cidades e ruas são todos em maltês. Super fácil de memorizar, hein?! Do aeroporto até o hostel, eu e o taxista não conversamos absolutamente nada. Aquele silêncio quase ensurdecedor foi bem estranho, afinal aqui no Brasil taxista adora um bom papo, né?! E eu que em viagens adoro puxar papo com o taxista para descobrir algumas curiosidades locais, nao conseguia nem perguntar o nome dele. Travou tudo naquele momento. =/

Sinceramente minha primeira impressão foi terrível, pois tanto o taxista quanto os atendentes do hostel não foram dos mais cordiais comigo. Além disso, meu inglês básico, não ajudou muito. Em compensação, a galera que morava no meu hostel, era DEMAIS! Cheguei no quarto, deixei minhas coisas e fui fazer umas comprinhas no supermercado que tinha na frente do meu hostel, o Corner Food Store. Depois fui até cozinha do hostel, onde conheci dois russos e dois brasileiro (claro!). Pasmem, no dia que eu cheguei havia 4 brasileiros morando no meu hostel. Ingenuidade minha achar que não encontraria meus conterrâneos por lá, viu?!. hehehehe

Fiquei um tempo papeando com eles e pegando algumas dicas. Eles me disseram como chegar a um pequeno shopping chamado  Bay Street  que fica, em Paceville, uns 15 minutos a pé e tem Mc Donald’s com wifi grátis. E detalhe: você não precisa consumir nada para acessar a rede, basta chegar com seu laptop, sentar e se conectar. Alguém tem dúvidas sobre onde foi meu primeiro almoço? hehehehe Em frente ao Bay Street tem uma loja da Vodafone e já aproveitei pra comprar um chip pré-pago com número local para o meu celular e créditos para internet. Eu não aguentaria sem.

Em seguida, voltei correndo, pois havia sido convidada para um jantar russo no hostel. Meu amigo Dmitri passou a tarde toda preparando uma deliciosa e tradicional sopa russa, chamada Borscht. Uma sopa feita com tomate, cenoura, beterraba, repolho roxo, batata, carne e uma grande colherada de sour cream no prato. Com o friozinho que estava em Malta, foi uma ótima pedida. De sobremesa, a Jo e a Dani (as outras duas brasileiras que moravam no hostel) fizeram brigadeiro. Hummmm que delícia!

Nesse jantar, conheci vários estudantes da minha escola, alguns moravam no hostel, outros não. As nacionalidades deles? Russos, ucranianos, alemães e turcos. Aos poucos, fui perdendo a vergonha e quando vi estava colocando meu inglês básico pra fora. Quer dizer, que eu considerava básico, pois todos eles me disseram que eu entraria no nível pré intermediário. Bom, nada como um vinho e uma vodka para ajudar. hehehehehe

O segredo é não ter medo, nem vergonha de errar, pois os erros ficam marcados e nos ajudam a não esquecer nunca mais. Quer um exemplo? Nessa noite postei uma foto desse jantar no meu Facebook para compartilhar aquele momento com meus amigos no Brasil e escrevi na legenda que estava tomando uma russian soap. hahahahahaa Soap em inglês é sabonete, sabão, sopa é soup. hahahahahaha Pior é que eu sabia, mas na hora de escrever a falta de prática me traiu. Rapidamente uma amiga brincou, “e esse sabão russo é gostoso?”, eu dei muita risada do meu erro e com certeza, não vou me confundir nunca mais. hehehehe

Optei por chegar num sábado, exatamente por isso, para começar as aulas na segunda mais entrosada, adaptada ao ambiente e descansada, afinal jet lag existe!

primeiro dia em malta

Pra quem estava há cerca de 40 horas sem dormir até que eu estava com uma cara boa, né?!